Pular para o conteúdo principal

Guest post - Relato de amamentação

Já que eu entrei numa série de amamentação nos ultimos post (para ler aqui, ou aqui, vou continuar nesse assunto. Os ultimos posts foram muito visitados e isso é excelente, sinal de que esse tipo de informação interessa e está circulando. Hoje vou dar uma de escrevalolaescreva e fazer um guest post. O nome cai bem pois Raquel Labotka mora nos EUA e é mãe de um casal. O que vem a seguir foi o comentário deixado em minha página do facebook que creio que deve ser ampliado aqui pra ter um alcance maior e que seja realmente compartilhada mais uma experiência de AMAmentação. Um ótimo relato de uma mãe que lutou pelo que queria, AMAmentar, em um país que muitas vezes é recomendado usar capa para tampar o seio que alimenta o bebê, Raquel vai contra a corrente das fórmulas na sua segunda experiência materna.


"Sei bem o que tu passou. Quando a Allison(primeira filha) nasceu eu nao fazia ideia o quanto amamentar seria difícil. Também quando tu sai do hospital aqui eles te mandam para casa com um kit, com fórmula grátis, o que impede muitas mães cansadas de amamentar e ninguém diz que uma só mamadeira vai afetar o teu leite e afetar o bebê de aprender a mamar direito. Meus primeiros dias depois que sai do hospital com a Allison foram cansativos... eu chorava de dor e o hospital tinha me dado um bico de silicone para colocar no meu peito para ajudar a Allison a pegar o peito direito... ninguém me disse que isso deveria ser usado exporadicamente porque impede a mulher de produzir leite suficiente. Allison comecou a tomar mamadeiras com fórmula, mesmo eu ainda amamentando, mas aos 6 meses de idade ela comecou a recusar o peito em preferência a mamadeira e foi quando fizemos a troca de vez. Chorei muito porque queria pelo menos levar até o 1 aninho, mas não deu... tivemos muitos percalços e nenhuma orientação boa. O marketing da fórmula ganha, mesmo em hospitais que se dizem amigos da amamentação.. todos levam fórmula para casa. 

Quando fiquei grávida do Jonathan, resolvi ler tudo o que podia sobre amamentação e me preparar porque sabia que amamentação é algo que precisa ser trabalhado com o bebê e que os primeiros 2 meses sao difíceis. É a vantagem de não ser mais mãe de primeira viagem. Jonathan nasceu com uma febre (eu culpo a ocitocina que me deram para comecar as contrações e fazer o trabalho de parto mais rápido... intervenções desnecessárias, mas minha bolsa já tinha estourado e aqui eles dizem que tem 16 horas para tirar o bebê para não ter risco de infecção ou outras complicações) e levou 2 horas para que eles me descem ele para amamentar. Para minha surpresa, porem, ele ,mamou direitinho! Os nossos problemas começaram no dia seguinte quando ele comecou a ter icterícia severa e teve que ir para o berçário ficar debaixo das luzes. Eles me impediam de ir amamentá-lo em menos de 3 horas e só podia amamentar por 30 minutos e entre uma mamada e outra eles estavam dando fórmula sem me consultar! Falaram que fórmula ia limpar o sistema dele mais rápido já que fórmula não se digere tanto quanto leite materno gerando mais cocô. Quando descobri, porque um recém-nascido geralmente mama a cada 1.5-2 horas fiz um escândalo. Falei com a consultora lactante do hospital e ela ficou furiosa também e resolveu me ajudar. Ele saiu daquele hospital 5 dias depois, mas depois de passar o final de semana em casa tivemos que interná-lo, pois a icterícia tinha aumentado novamente. Aí fui para o hospital da pediatra dele (hospital em que a Allison nasceu. Dei a luz num hospital diferente, porque era o hospital mais perto de casa, mas se arrependimento matasse...). Lá fomos atendidos melhor e eu estava amamentando ele cada vez que ele queria e não tinha limite de tempo. Ele só ficou lá 2 dias e viemos para casa.
Por conta das mamadeiras que ele teve no primeiro hospital ele desaprendeu a mamar direito. Ele so pegava o bico e me machucava. Comprei uma bombinha de tirar leite dupla e elétrica e comecei a tirar o leite e dar para ele de seringa depois de cada tentative de mamada. Depois de uma semana ele ja tinha aprendido a mamar de novo. Depois desse percalco algumas semanas depois ele foi diagnosticado com refluxo e chorava dia e noite. Foi colocado numa medicação que não ajeitou muito porque a médica deu uma dose muito menor. Fomos num gastro e ele receitou outro remédio que era forte demais e Jonathan acabou piorando. Voltamos para o primeiro remédio, mas com uma dose maior e ele melhorou, mas ainda não estava perfeito. Foi quando descobrimos que ele era sensível ao leite de vaca da minha dieta e seus intestinos estavam inflamados por causa disso. Fui orientada a parar de amamentar. Pesquisei um monte e descobri que eu poderia continuar amamentando, mas teria que eliminar completamente todos os produtos derivados do leite da minha dieta e que levaria 4 semanas para limpar o sistema do Jonathan. Parei de amamentar por 4 dias, antes dessa pesquisa, mas como queria voltar a amamentar eu tirava o leite com a bombinha elétrica a cada 2-3 horas dia e noite e acabei doando o meu leite para uma mãe que precisava. Jonathan tomou fórmula especial por 4 dias… uma fórmula com cheiro horrível de vômito e apesar dele tomar, porque tava com fome ele só tomava o suficiente para não morrer de fome. Voltei a amamentar depois de 4 dias e ele estava tão feliz com o meu leite. Não consigo explicar a felicidade que nós dois sentimos… o nosso vínculo estava ainda mais forte depois de todas as coisas que passamos e lutamos pela amamentação.
Fui diagnosticada a uns 2 meses com problemas de tiróide e queriam que eu parasse de amamentar para fazer um exame que faz tu tomar algo radioativo para poder encontar o que estava mal com a minha tiróide. Fui em outra médica e ela disse que eu poderia fazer só uma ultrasonografia e exame de sangue e não precisaria parar de amamentar. Tenho Tiroidite de Hashimoto (hipotiroidismo crônico) que após o parto resolveu sair do estado dormente e atacar minha tiróide me fazendo ir para uma fase de hipertiroidismo. Estou a espera do hipertiroidismo virar hipotiroidismo e estou sendo acompanhada por minha médica endócrina todo mês, porém não preciso parar de amamentar e isso é um alívio. 
Jonathan nunca mais teve um pingo de fórmula… ele esta crescendo normalmente e a pediatra dele esta muito feliz que apesar de tudo ainda estou amamentando. Ninguém achou que eu poderia viver sem produtos derivados do leite de vaca, mas aqui estou eu… ja faz 5 meses desde que tive que modificar minha dieta. 
Eu creio que os problemas do meu filho com leite de vaca aconteceram pq nos seus primeiros dias de vida ele recebeu fórmula feita com leite de vaca. Um recém-nascido não tem flora intestinal capaz de proteger seus intestinos contra alergenicos como o leite. O leite materno é o que dá essa flora para o bebê. Alguns bebês toleram fórmula melhor do que outros. De acordo com o gastro do Jonathan ele vai poder tomar leite de vaca após o 1 aninho de idade, mas veremos.
Jonathan esta com quase 7 meses e ainda mamando e sem fim na vista. Estou relatando essa minha experiência para mostrar as mamães que vocês tem que ser suas próprias advogadas e sair a procura de informacoes. Vocês tem que lutar pelo direito a amamentação. O vínculo entre você e seu bebê só vai aumentar. O seu bebê agradece!"




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Das perguntas: Papel higiênico, no vaso ou no lixo?

Eu vivo me fazendo perguntas e nem sempre tenho as respostas, essa pode parecer inusitada, mas sim, já pensei nisso e me surpreendi com o que descobri. Aqui no Brasil todo banheiro que se preze tem lixeira e muitos banheiros públicos tem a seguinte placa:
Em portugal encontrei a versão lusitana da coisa e acho que herdamos esse hábito deles, acho, porque não tenho a menor certeza.
Quando morei fora percebi a inexistência da nossa companheira lixeira, e vi que o papel era descartado no vaso sem o menor problema. Tenho por hábito seguir os hábitos e assim fazia, até porque fora da minha casa não havia essa opção, mas quando voltei continuei usando a lixeira nossa de casa dia. Tudo muito bom e muito bem até eu me casar com um "gringo" e ele me perguntou porque não colocávamos os papéis no vaso, de pronto mais que automatico e mecanicamente respondi: "Oras, porque entope!" Pouco depois pensei, mas na França não entopia... Será mesmo que entope? Ou fomos ensinados a usar is…

Cardápio semanal, uma mão na roda no dia a dia

Estou sempre querendo escrever, mas tempo é coisa escassa, entre filho, trabalho e trabalho de casa, fica difícil. Mas depois que me mudei pra uma casa menor, com uma geladeira menor, resolvi fazer algo que sempre quis e que achava que me daria tempo que é o cardápio semanal. Quem nunca ficou olhando os armários e a geladeira com aquela interrogação na cabeça do que fazer pra comer. Quem nunca fica sem ideia do que cozinhar? Quem nunca sente aquela preguiça na hora que vem a pergunta: o que vamos comer? Sem contar quando você pensa em fazer um prato mas só tem alguns dos ingredientes... O cardápio semanal pra começar foi difícil, mas consegui!  O que eu fiz?  Primeiro abri um arquivo, porque nao sei mais escrever no papel, mas pode ser num papel e comecei um brainstorming ia escrevendo todos os pratos que gostamos, os que cozinhamos com certa frequência, aquele que a gente sempre esquece mas que quando faz é um sucesso, os pratos do dia a dia, os pratos que são únicos e dispensam acompa…

Aniversário de 1 ano diferente

Voltando ao assunto alegre do mês, que foi o niver do filhote, vou postar aqui algumas coisas referentes à comemoração, me recuso a dalar sobre Feliciano e as loucuras desse país, vou falar de coisa alegre.
Sou meio avessas as regras e as normalidades, o que as vezes não preenche as expectativas alheias, mas também não me preocupo com o que vao pensar falar etc e tal. Portanto, acredito que o primeiro aniversário nada mais é do que a comemoraçao dos pais pelo nascimento do filho, e no nosso caso meu filho e nós (papais babões) merecemos até mais que um dia de comemoraçao, pois o esperamos ansiosos por três dias como eu relatei aqui.


Na verdade os meus planos iniciais não foram completamente concretizados por interferencias da natureza porque choveu um pouco, da vô e tia. Mas em se tratando de um churrasco foi dificil ser sustentável, na medida do possivel separamos latinhas de cerveja e pets para o descarte e fizemos o docinho com copinho comestivel que sera a receita do pr…