terça-feira, 17 de setembro de 2013

Dentes, Água e Flúor - qual a relação desses três elementos? ou ainda, sobre não escolhas no século XXI


Lyon é um lugar bacana, acho que deu pra notar nas duas últimas postagens, mas foi lá que começamos a ter uma preocupação, porque férias nunca é só moleza.

O assunto é sobre dentes, mas meu caso é um pouco específico, ou melhor, o caso do Noah (e que deve ser de outros pequenos também). Meu pequeno teve os primeiros dentes no fim do quinto mês de vida e nunca tivemos muitos problemas com o nascimento dos dentes como febres e mal estar, no máximo uma alteraçãozinha do funcionamento intestinal, mas nada demais. Acontece que antes de 1 ano notamos manchas brancas nos 2 incisivos centrais superiores, a pediatra disse q não era nada, que era pra continuar fazendo a limpeza normal e que leite materno não era cariogênico e que não precisava me preocupar nas mamadas noturnas. Porém, a coisa evoluiu, piorou muito quando estávamos justamente de férias.
essa foto foi quando começamos a nos
preocupar seriamente, mas chegou a ficar pior que isso
Levamos a um dentista da confiança do meu sogro na França, pois temia que fossem cáries e vi que o dente tava começando a ficar com um buraquinho. A experiência foi tranquila, ele não era um odontopediatra, mas fez uma carinha numa luva inflada e foi bem tranquilo. Noah já sabia mostrar o dentinho e falamos e ele mostrou. Também enviei uma foto a um amigo dentista, ambos chegaram ao mesmo diagnóstico, excesso de flúor, fluorose, hipoplasia. E que não era pra usar pasta de dentes com flúor, coisa que eu nunca tinha feito. Então investigando as possíveis causas chegamos a conclusão que o flúor ingerido pelo Noah estava na água, sim, na água. 

No Brasil existe uma lei há mais de 30 anos que fluoreta toda a água tratada. Pensei que aí residia o problema, pois como temos um purificador usamos a água que vem tratada. O dentista da França, disse pra dar água mineral para ele, porém aí começou um calvário! Ao retornar ao Brasil, notamos que em TODOS os rótulos de água mineral de TODAS as marcas nacionais, existe grande ou pequeno a inscrição "água mineral fluoretada". O jeito tem sido ir no interior e buscar água de mina isenta desse componente, porém segura. Mas usamos essa água somente para que ele beba, e nos preparos de sucos, preferindo dar água de coco e suco de laranja, melancia, que não levam água, mas no preparo dos alimentos não é possível usar água da mina o tempo todo, porque ela não é pertinho. 
Pode ser pouco, mas vem flúor embutido em tudo isso,
fora a cocção dos alimentos em casa

Diante dessa odisseia, onde ouvi que tem que rezar pra não afetar os dentes permanentes, uma amiga entrou em contato com seu dentista na Itália que recomendou um creme dental italiano meio chatinho de achar. Já tínhamos usado um gel dental alemão sem flúor, um outro creme chamado elmex, e agora estamos usando a recomendada Biorepair que fez um efeito muito rápido e incrível. Melhorou, mas acho que as craterinhas são irrecuperáveis, mas o amarronzado sumiu, e aí como eu desconfio de tudo que é muito rápido resolvi ler bem atenta os componentes. O "milagre" consiste na pasta conter microrepair e aí vem um asterisco, pois se trata de hidroxiapatita de zinco, e lá fui eu pesquisar, justo eu que odeio química, como os paralamas do sucesso. Encontrei um artigo que boiei um pouco, mas não tanto quanto achava no scientia plena. Do pouco que entendi é um nanobiomaterial. E tem um trecho bem compreensível: "O estudo destes materiais envolve diferentes áreas do conhecimento científico: física, química, biologia, engenharia de materiais e farmacologia. Um dos materiais mais importantes usado na área dos biomateriais é a hidroxiapatita (HAP), devido a sua semelhança química com a componente mineral do osso e tecidos duros dos mamíferos. A hidroxiapatita [...] é um fosfato de cálcio hidratado, biocompatível e bioativo, já que apresenta resposta positiva em termos de aderência e ploriferação(sic) celular de diferentes tipos de células." Dá pra entender nesse artigo que isso deve repor o tecido perdido nos dentinhos dele, até achei uma dissertação, mas não pude ler que é sobre o “Preparo e caracterização de fosfatos de cálcio dopados com zinco para aplicações médico-odontológicas”, mas como sou uma artista (acadêmica)que virou mãe, não sou muito entendida das ciências, então apelo pros odontopediatras de plantão, químicos e entendidos do assunto, até mesmo a Lígia, Cientista que virou mãe pode saber algo sobre o assunto, é um problema de saúde coletiva. Acho fundamental saber que o flúor na água a longo prazo traz mais malefícios do que benefícios e gostaria de ter o direito a escolha de que água consumir. Ouvi isso de uma dentista e deixo aqui pra finalizar "A classe ainda não entendeu que os efeitos sistêmicos dessa adição dele à água só trazem prejuízos à saúde geral, e nenhum benefício aos dentes. Já está mais que comprovado que a principal ação benéfica do flúor é na aplicação tópica. Realmente, não dá pra entender. Eu sou completamente contra. Mas é uma polêmica por aqui, ainda, infelizmente." Andreia Stankiewicz.
Acho que é preciso discutir isso seriamente, é preciso poder escolher e ter informação de qualidade sobre tudo que consumimos tacitamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...